Glória Maria sobre caso de racismo: 'Me sentia um macaco no zoológico'


Nesta segunda-feira (18), a TV Globo levou ao ar a estreia da nova temporada do programa "Conversa com Bial", que teve a jornalista Glória Maria como convidada. Durante o bate-papo, a comunicadora falou sobre política e disse acreditar que já teria "batido ou apanhado" se tivesse que cobrir o tema com Bolsonaro como presidente.

Pedro Bial contou ao público uma situação que Gloória viveu há anos atrás, quando namorava José Roberto Marinho, filho de Roberto Marinho, fundador da Globo. Citando uma passagem do livro "O Poder Está no ar", do jornalista Leonêncio Nossa, o apresentador destacou um trecho onde José Roberto conta que o seu porteiro esteve no Country Club, ou Clube de Camping, reduto da alta elite carioca, com o filho, e o rapaz sofreu grande preconceito dos sócios do local. Assim, decidiu levar Glória ao mesmo Country Club no dia seguinte, para enfrentar a fúria do ambiente à cor da namorada.

“Isso foi assim mesmo?”, perguntou Bial. “Foi assim”, Glória respondeu.“Uma coisa que eu nunca falei, levei um susto quando vi isso no livro, não sei como foi com o menino, mas com nós foi horrível: o clube inteiro olhando para aquela mesa, eu não sabia o que fazer, e não entendi direito ainda aquela maluquice que era o camping, eu não entendia direito. E eu: ‘José, vamos embora, todo mundo olhando pra gente’. E eu não sabia se era só porque eu era negra ou se era também porque ele era o filho do Roberto Marinho, mas foi um dos momentos assim mais ruins, mais desagradáveis da minha vida, aquela sensação, eu me sentia como um macaco no zoológico, todo mundo ali, esperando a hora de dar uma banana", desabafou e finalizou sobre o assunto.